Como funciona o Documento Nacional de identificação

O Documento Nacional de Identificação será um documento que funcionará de forma digital e reunirá, num primeiro momento, o CPF e o título de eleitor do cidadão.

O documento havia sido sancionado pelo presidente Michel Temer em 2017 e agora, começa a fase de testes, em que cerca de 2 mil servidores do Ministério do Planejamento e do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) vão começar a usar a nova identificação. A meta do governo é que o serviço esteja disponível para a população a partir de julho.

Os avanços tecnológicos são muito importantes nesse aspecto, pois possibilitam maior comodidade no cotidiano dos cidadãos.

Saiba agora mais informações sobre o Documento Nacional de identificação.

Como o cidadão utilizará o DNI?

Quando o serviço estiver liberado para a população, o Documento Nacional de Identidade ficará acessível através de um aplicativo gratuito para smartphones ou tablets, disponível nas plataformas Android e iOS. Será necessário que o cidadão tenha registro biométrico na Justiça Eleitoral.

De acordo com o governo, com ele, o cidadão ficará dispensado de apresentar documentos em papel, como CPF, certidão de nascimento, casamento ou título de eleitor.

Segundo o TSE, o DNI “poderá ser baixado pelo cidadão uma única vez e em um só dispositivo móvel, por questão de segurança”.

Ainda de acordo com o governo, o Documento Nacional de identificação (DNI) poderá no futuro reunir outros documentos, como por exemplo a Carteira Nacional de Habilitação (CNH).

Quem não tiver celular, segundo o governo, há a possibilidade de o número do DNI -Documento Nacional de identificação – constar na carteira de identidade.

Facilitar a vida

A ideia de um Documento Nacional de identificação todo digital que possamos acessar pelo telefone é muito prática. O DNI vai facilitar o dia a dia do cidadão ao reunir diferentes documentos e informações.

A partir desse aplicativo você vai ter a integração de outros documentos, junto com a base de dados biométricos que o TSE já vem construindo e segundo o governo o cartão do SUS também poderá ser integrado ao documento.

Confira também:

Passo a passo: Documento Nacional de identificação

De acordo com o TSE, quem quiser solicitar o DNI – Documento Nacional de identificação – terá que seguir os seguintes passos:

Quem já fez o cadastramento biométricos junto a Justiça Eleitoral precisará baixar o aplicativo e realizar um pré-cadastro solicitando o documento digital. Depois, será preciso comparecer a um ponto de atendimento, que pode ser também na Justiça Eleitoral.

Nesse ponto de atendimento, serão validados os dados biométricos com duas digitais de quem solicitou o documento. Depois da confirmação das informações, será possível emitir o DNI, que aparecerá no telefone que tem o aplicativo do documento.

No caso de pessoas que ainda não fizeram a biometria da Justiça Eleitoral, é possível coletar os dados em estados que firmaram convênios com o TSE. Os institutos de identificação destes estados enviam ao TSE os dados necessários para iniciar o pedido do DNI.

Como funciona o Documento Nacional de identificação

  1. o cidadão baixa e instala o app do DNI (Documento Nacional de identificação) para seu smartphone (IOS ou Android);
  2. o cidadão cria um pré-cadastro e preenche seus dados, e informa uma senha de 6 dígitos (PIN) demonstrando sua intenção em obter o DNI;
  3. uma vez que o pré-cadastro foi realizado, o cidadão se dirige a um ponto de atendimento para a validação biométrica e vinculação do seu DNI ao Smartphone. No ponto de atendimento, o cidadão realiza a leitura do código QR Code presente na tela do computador do atendente para vincular seu Smartphone;
  4. em seguida, com seu Smartphone conectado a internet, o cidadão baixa o seu DNI para o seu dispositivo já autorizado em um ponto de atendimento;
  5. o cidadão insere uma senha de seis dígitos para acessar seu DNI;
  6. o cidadão também pode validar o DNI de outra pessoa utilizando a câmera de seu Smartphone e lendo o QR Code no Smartphone da pessoa o qual deseja validar o DNI.

Documento Nacional de identificação

Histórico

O DNI surgiu do projeto de Identificação Civil Nacional (ICN). A proposta prevê um novo documento, válido em todo território nacional, que unificará dados biométricos e civis dos brasileiros.

O novo documento está a cargo do TSE e as informações ficam associadas ao registro biométrico. Segundo o tribunal, mais de 73 milhões de pessoas em todo o país já cadastraram suas fotos e digitais.

Documentação para imigrantes

Também foi assinado um decreto que permitirá a implantação do documento provisório de registro nacional migratório, destinado a imigrantes e refugiados que ingressam no Brasil. A medida ficará sob supervisão do Conselho Nacional do Ministério Público (CNMP).

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, disse que o objetivo é garantir proteção aos imigrantes. Segundo ela, essas pessoas hoje recebem um protocolo, mas a resposta do pedido leva cerca de três anos. Nesse período, eles têm dificuldade de acessar serviços públicos e sofrem por não terem documento de identificação.

Esse tipo de documento é muito importante pois, de acordo com a procuradora-geral, o número de pedidos de refúgio no Brasil mais que triplicou entre 2016 e 2017. O número saltou de aproximadamente 10 mil pedidos para 33,8 mil de um ano para o outro.

A importância do Documento Nacional de Identificação

É muito interessante e importante que todos os documentos que nós precisamos carregar sejam reduzidos a um único. Diminui os riscos de perda, principalmente pelo fato de ser digital.

E você? O que acha do DNI? Vai facilitar sua vida? Deixe sua opinião nos comentários.

Como funciona o Documento Nacional de identificação
5 (100%) 2 votes

Deixe uma resposta